A EPOPEIA DE GILGAMESH

A Epopeia de Gilgamesh fora encontrada a partir de escavações arqueológicas feitas no século XIX, precisamente nas cidades de Nimrud e de Nínive. Sua edição mais completa, escrita em milhares de tábuas, vem da biblioteca do rei assírio Assurbanípal, no século VII.

Estamos falando aqui de muito antes do Gênesis e de Homero. 

Gilgamesh era o poderoso rei de Uruk, na Mesopotâmia, o quinto rei da primeira dinastia pós-diluviana, por volta do ano de 2.700 a.C. Filho da deusa Ninsun com um mortal, era 2/3 divino e 1/3 mortal. E as divindades o presentearam com grande beleza, além de coragem e imensa força. O rei não conhecia limites e governava de forma arbitrária, causando sofrimento ao seu povo.

Certa feita, atendendo aos pedidos do povo de Uruk, os deuses conceberam um homem semelhante ao seu rei, o único capaz de enfrentá-lo. E foi do barro que a deusa Aruru criou Enkidu, um homem destituído de maldade. Por algum tempo, Enkidu viveria nos campos, tal qual um verdadeiro selvagem. 

Seduzido por uma sacerdotisa da deusa Ishtar, Enkidu deixaria a vida selvagem e seguiria para Uruk, a fim de desafiar Gilgamesh. Após a contenda, ambos celebrariam a paz e selariam uma fiel amizade. 

Gilgamesh sentia-se, agora, movido por um grande desafio: ir para a Floresta dos Cedros e destruir o feroz Humbaba. 

Gilgamesh e Enkidu seguiram juntos nessa ousada jornada. Exitosos, tiveram recaída sobre si a ira dos deuses, que não aprovaram a morte do guardião da floresta. Depois, eles ainda exterminariam o Touro do Céu, um enviado da deusa Ishtar, irritando-a.

Enkidu seria punido com a morte sem glória. 

Gilgamesh ficou desconsolado diante da perda do amigo, e percebeu que, a despeito de todo o seu poderio, era um simples mortal. Assim, sua meta passou a ser a busca pelo segredo da imortalidade, para isso, precisava encontrar Utnapsishtim, o único homem a quem os deuses concederam a eternidade, após o dilúvio.

Gilgamesh rumou para os limites da terra, passando pelo mundo inferior, até que conheceu Utnapsishtim, que lhe contou sobre o dilúvio que inundou a terra como punição pela maldade humana, sendo ele o único sobrevivente eternizado no tempo.

Finalmente, Gilgamesh chega à Fonte da Juventude e obtém a planta que lhe daria a imortalidade, mas, num momento de descuido, a mesma é engolida por uma serpente, roubando-lhe os sonhos e deixando-lhe claro que tudo fora em vão, jamais alcançaria a imortalidade, não passava de um simples mortal.

Grecianny Carvalho Cordeiro

Promotora de Justiça

Deixe uma resposta