CRÔNICAS PARA RELAXAR

Em tempos tão incomuns, em que uma pandemia alterou o curso dos acontecimentos e fez o mundo praticamente parar, a música e a literatura têm desempenhado papéis relevantes, levando alento em meio ao caos, distração à tensão, alegria à dor.

Um amor, um café e uma crônica, por favor! O livro mais recente da escritora Angélica Sampaio é um passeio leve e agradável pela vida, através de crônicas que retratam cenas e situações com as quais nos deparamos no dia a dia, que poderiam acontecer comigo, com você ou qualquer outra pessoa, mas sob o olhar aguçado de uma escritora cronista-romancista-poeta, que trabalha as palavras e os enredos com maestria.

O belo prefácio assinado pelo poeta e advogado Júnior Bonfim, tudo diz sobre o livro, de primorosa feitura: “Miro que neste teu mais recente pergaminho escritural optas por um ternário de ternura, ou melhor, eleges um compasso trino que contempla a mais colossal, magnética e profunda dimensão humana (o amor), uma de suas mais belas formas de revelação, a literária (a crônica) e a bebida mais degustada pela humanidade depois da água (o café).”

Nas crônicas humorísticas, encontramos O sábio que há em nós, o papo entre amigos num café, e a vaia que assusta o Sol; o tumulto do prédio devido a uma barata (Baratas da balada); o vexame das amiga Talita e Maria em uma blitz (A blitz); o cliente que reclama para o fornecedor errado (O engano).

Nas crônicas argumentativas, a autora se debruça sobre reflexões que, por vezes, deixamos passar despercebidas, porque tudo passa, “só não deixe passar o amor da sua vida…” (Acredite! Tudo passa!) “Plante amor, vida, tolerância!” (As flores, o jardim, o jardineiro). E mais que nunca, em tempos de pandemia, que possamos valorizar as coisas mais simples da vida, nos permitindo, “porque afinal a vida é breve e não há tempo para desperdiçar oportunidade.” (Permita-se!). Refletir é necessário! E que possamos encontrar as desejadas respostas em nós mesmos.

“Cada hora, de cada dia, a gente aprende uma qualidade nova de medo!” (Grande Sertão Veredas). Pura verdade. Mas que possamos aprender, também, a cada dia e sempre mais, sobre o amor, sobre a vida, sobre o cotidiano e a simplicidade das coisas.

Um amor, um café e uma crônica, por favor! É um passeio pela vida, na pulsação do sentimento mais belo, ao sabor da bebida mais aromática a despertar vários de nossos sentidos, sob o toque sensível e libertador da boniteza literária.

 

Grecianny Carvalho Cordeiro

Promotora de Justiça

Deixe uma resposta