“(…) de quantos lá vieram, nenhum tem amor a esta terra (…) todos querem fazer em seu proveito, anda que seja a custa da terra, porque esperam de se ir (…) não querem bem à terra, pois têm sua afeição em Portugal; nem trabalham tanto para a favorecer, como por se aproveitarem de qualquer maneira que puderem; isto é geral, posto que entre eles haverá alguns fora desta regra”.
O trecho acima transcrito, extraído do livro Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, é de autoria do padre Manoel da Nóbrega e foi escrito no ano de 1552; todavia, o seu conteúdo permanece mais atual do que nunca, pelo que poderíamos apenas mudar os protagonistas: no lugar dos portugueses, colocaríamos uma expressiva quantidade dos homens públicos do país, em especial, aqueles detentores de cargos eletivos.
Como é cediço, a colonização portuguesa no Brasil tinha o nítido fim de explorar nossas riquezas e enviá-las a Portugal, não havia um objetivo edificador, de construção de uma nova nação.
Triste perceber que as características constatadas por Sérgio Buarque de Holanda na colonização portuguesa, tais como: a falta de hierarquia, o desleixo, a indolência displicente das instituições e costumes, o espírito aventureiro, o desejo de enriquecer mediante a exploração das riquezas e da mão-de-obra escrava, a ociosidade enquanto símbolo de nobreza, ainda se encontram enraizadas em nossa cultura, notadamente através da chamada “lei de Gérson”.
Mas não vamos culpar os portugueses pelas nossas desgraças, afinal, cinco séculos se passaram e pouco se mudou em relação à influência lusitana nos nossos costumes e instituições.
É preciso mudar essa “tradição” e abandonarmos de vez a mentalidade herdada de que a nossa terra deve ser apenas explorada, quando então o Brasil se tornará verdadeiramente uma grandiosa nação.
Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça
Raízes do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *