PARA FRENTE. PARA TRÁS

PARA FRENTE. PARA TRÁS.

Brasil. Anos 80.
O povo brasileiro tomava as ruas e fazia manifestações em prol de eleições diretas para os cargos do Executivo e do Legislativo. Intelectuais, partidos políticos, movimentos religiosos… Todos gritavam e pediam: “Diretas Já!”
A redemocratização era o sonho do povo brasileiro, depois de anos e anos vivendo sob a ditadura militar.
Pedia-se um Congresso Nacional independente, livre do controle do Executivo. As eleições diretas não vieram, ainda assim, houve um progresso, pois um presidente civil fora eleito, mesmo de forma indireta.
E veio a Constituição de 1988, estabelecendo direitos e garantias fundamentais, o Estado Democrático de Direito, os Poderes da Repúblicas harmônicos e independentes entre si… Essas conquistas tinham o doce sabor de um sonho bom.
As músicas poderiam ser compostas com total liberdade e transmitidas pelas rádios. O teatro poderia encenar suas peças com plenitude. A literatura poderia ser publicada sem tantos rodeios. A arte agora dispensava camuflagens para driblar a ditatura.
“Caminhando e cantando e seguindo a canção”.
Brasil. Anos 2019/2020.
Parte considerável do povo brasileiro toma as ruas e faz manifestações pedindo o fechamento do Congresso Nacional, a invasão do Supremo Tribunal Federal e o impeachment de seus Ministros. Intelectuais, partidos políticos, movimentos religiosos que discordam do status quo são malvistos e malquistos… Muitos gritavam: “Ditadura já!”
A ditadura passou a ser o sonho de muitos brasileiros, depois de anos e anos vivendo sob a democracia.
Pede-se um Congresso Nacional dependente e tímido, porque boa parte de seus integrantes são tidos como corruptos e, por isso, deve ficar sob o completo controle do Executivo, o símbolo do bom, certo e justo. O mesmo vale para o Judiciário. Ruptura é a palavra de ordem.
E deve a Constituição de 1988 ser delimitada, ou melhor, impõe-se seja publicado um ato institucional para restringir direitos, liberdades e garantias, para então se poder governar em paz… E esse sonho é o melhor dos mundos para um país decente.
As músicas, o teatro e a literatura devem se adequar à moral e aos bons costumes, aliás, arte para ser considerada arte, exige passar por um rigoroso controle de qualidade. Mas as fake news não devem sofrer qualquer censura, pelo contrário, devem ser liberadas por completo, espalhadas aos montes e com a rapidez de um raio, de modo a que alcancem seu real objetivo: atingir os inimigos.
Quando voltamos no tempo, estávamos bem à frente.
Hoje, estamos andando para trás.
A que ponto chegamos!

Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Deixe uma resposta