A PESTE

A PESTE

No décimo ano da Guerra de Troia, ainda era difícil constatar qual dos dois lados encontrava-se em situação mais vantajosa, se os gregos ou os troianos.
Agamenon, o comandante supremo do exército grego, recebera a bela Criseide como espólio de guerra, e por ela estava encantado. No entanto, Criseide era filha de Crises, um respeitado sacerdote de Apolo, em Troia.
Em razão disso, tomado de coragem, Crises foi ao acampamento grego, pedir a Agamenon que lhe devolvesse a filha. Ocorre que, o sacerdote foi humilhado pelo rei de Micenas, que se recusou a entregar Criseide ao pai, afinal, era ela seu prêmio por direito, obtida como despojo de guerra.
Indignado com o ultrajante tratamento que lhe dispensara Agamenon, Crises invocou o deus Apolo e pediu que vingasse tamanha desonra feita a um sacerdote seu.
Durante nove dias, o deus Apolo fez sentir a sua ira contra Agamenon, lançando uma terrível peste que se abatera sobre os soldados gregos, os quais morriam repentinamente, aos montes.
Enquanto isso, trancafiados atrás de suas muralhas, os troianos assistiam os inimigos sendo dizimados, sem que precisassem recorrer a qualquer esforço bélico. E ali ficaram, isolados, receosos de que pudessem ser contaminados pela peste.
Quando a situação dos gregos se mostrava catastrófica, com um exorbitante número de óbitos, o temível guerreiro Aquiles convocou uma assembleia, de modo a que pudessem compreender as causas daquela tragédia e tomar as necessárias providências.
Foi então que Calcante, um sacerdote grego, informou que Apolo estava irado com Agamenon por ter ultrajado um de seus sacerdotes, e que a peste somente cessaria se Criseide fosse devolvida ao pai.
Agamenon se revoltou e disse que tudo aquilo não passava de uma bobagem, pois a peste logo iria embora, sem que ele precisasse se desfazer de sua escrava. Foi então que o rei de Micenas se insurgiu contra Aquiles, alegando que armara aquela história toda para culpa-lo da ira do deus.
Depois de muito custo, Agamenon ouviu os demais companheiros e concordou em devolver Criseide ao pai, todavia, como recompensa, exigiu que Aquiles lhe entregasse a sua própria escrava, a qual mandaria buscar em sua tenda. E assim procedeu.
Livre da ira de Apolo e da peste, os gregos estavam sob agora a ira de Aquiles, que saíra dos combates, e sua ausência seria sentida nas sucessivas derrotas sofridas pelo exército grego.
Ao final, os gregos venceriam a guerra.
Cessada a ira, poderemos vencer o covid 19.
Grecianny Carvalho Cordeiro
Promotora de Justiça

Deixe uma resposta